terça-feira, setembro 25, 2007

uma bucha

Há uma bucha responsável pelo meu estado alterado de nervos. E, diariamente, rogo-lhe pragas sobretudo matinais. Ontem muni-me de uns comprimidos naturais anti-stress e de um chá relaxante a ver se consigo lidar melhor com a situação. Travo com ela, de há algum tempo a esta parte, uma guerra fria. Sim! e aqui reside o principal busílis da coisa - tratar-se de uma guerra fria. Eu gosto de guerras acaloradas, de quentes confrontos, no amor, na amizade, nas batalhas e... no banho... Ora, a estúpida da bucha, manifesta o seu lado mais malévolo de forma intermitente, inconstante, cobarde, ora escondendo os seus propósitos mais infames de me destruir a razão ora me surpreendendo com pequenas mas gélidas agressões.
Não faz muito tempo, tinha eu decidido pôr cobro à coisa de forma definitiva, quando a dita bucha, no que julguei ser uma atitude de clara desistência, deixou de me massacrar com as suas intervenções ridículas e despropositadas e, ajuizei eu então, pensei estar a questão terminantemente resolvida. Ah!, como pude ser tão ingénua! Deve estar-lhe na massa ou na falta dela! A gaja contra-atacou! Pensei em ignorá-la, votá-la ao mais completo desprezo, prosseguir impávida a minha rotina diária mas a verdade é que não consigo. Ela dá-me conta do juízo. Bucha idiota!
Hoje, quando saltei para a banheira, olhei-a de lado e pensei: vamos lá ver como é que te comportas. Encontras-me preparada minha grandessíssima besta, estou muito mais calma à conta do cházinho e dos comprimidos de passiflora... Abri a torneira até a água quente jorrar mas, na hora h, na hora precisa em que a bucha deve permitir a passagem da água da torneira para o chuveiro de mão ela voltou-me a falhar! Acabei o meu banho com água mais que tépida, sequei-me no meu toalhão turco e dirigi-me convicta à minha limitada caixa de ferramentas. À falta de chave inglesa, armei-me de um martelo e, já cega de raiva, espetei-lhe duas fortes marteladas nos cornos. Tenho a certeza que agora já não me incomoda porque, cá comigo e nestas situações, quando não vai a bem vai a mal e pela bucha pagou a torneira. É sempre assim nesta vida ingrata, paga o justo pelo pecador. Bucha de merda!

4 Comments:

Blogger Lino Centelha said...

Antigamente dizia-se bucha quando era mais para o forte, mas agora, comida de plástico, e aí temos a bucha a não aguentar a pressão... Não tenhas pena da torneira, anda em más companhias...

11:21 da tarde  
Blogger a-bordo said...

bastet: eu também ando muito lento... mas quando puderes, dá-nos mais palavras ... beijo

6:50 da tarde  
Blogger Bastet said...

Lino: Tens razão. Tratava-se de uma associação criminosa.

Fernando: os teus desejos são ordens. Ora vê lá se assim não é. Já postei :)

10:57 da manhã  
Blogger th said...

E não é que fiquei embuchada de tanto rir...
Delícia de língua a nossa...
th

8:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home