quarta-feira, julho 11, 2007

regresso

Pela janela entrou a manhã como se fosse habitual. Bom dia!, bom dia! - e era um dia bom para começar. Panela ao lume, ventre na pedra mármore e pés agrilhoados em chinelas de tiras. Hoje, hoje é o dia de mudar. Turras de gatos e arfar de cães; malgas de comida, tigelas de água. Pegadas de pó no soalho fresco. Lixívias e detergentes, panos e baldes. Saudades de uma avó morta que repetia estes gestos num quintal de calçada portuguesa. Talvez o seu espírito more nesta bata antiga e no som do amolador de facas. Ou nas ervas de cheiro que despontam do barro, escondendo a terra a que se agarram. E a mão perdida no grande bolso frontal, procurando o lencinho de pano às flores. E ela pequena, miúda, fazendo almoços para bonecas de trapo, escudada pelas gerações de mulheres que lentamente fizeram a revolução. Em quintais semelhantes, com rotinas desprendidas e íntimas das sabedorias do tempo. Agora fazia-se a hora ao bater dos ponteiros rápidos dos segundos. As manhãs já não eram como antes. Quando a saudade raspa os sentidos desta forma áspera, só a perdida segurança de uma infância latente nos segura. Nos identifica. Então é tempo de mudar. Agarrou a manhã como se fosse habitual. Tirou a panela do lume, a barriga da bancada e de pés soltos entrou na máquina do tempo.

4 Comments:

Blogger Lumife said...

VOU DE FÉRIAS! BOAS FÉRIAS!

3:35 da tarde  
Blogger nana said...

uau.

mesmo.

9:56 da tarde  
Blogger th said...

Que bom é voltar aqui e repousar na tua escrita, desperta em mim o voltear das palavras e imagens esquecidas, obrigada, th

11:55 da tarde  
Blogger Movimento Pela Net Mais Barata said...

Que escrita maravilhosa, é tão bom passar por aqui e ler estas palavras na nossa língua deliciosa.
Não sei se tens algumas tropelias para contar sobre a net mas lanço-te o desafio de deixares no nosso blog se tiveres, acho que era um contributo excelente.
Bom trabalho e bom verão tb vou de férias:)

5:44 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home