quinta-feira, fevereiro 22, 2007

lares

Há sítios onde se espera a morte. Camas em quartos pequenos com janelas tristonhas. Onde a vida percorre os últimos dias dos corpos presentes. Discretos lugares, discretas pessoas. Viagens últimas, bagagens nenhumas. Cabelos brancos, fragilidades. Oferecem-se carinhos e dignidade nos letreiros, em troca dão-se os dinheiros que compram a cama, o comer, o espaço e a bacia. E a ceifeira tardia que passa numa noite de sorte, leva à morte quem já a quer por mais que seja derradeira e fria.

8 Comments:

Blogger Noite said...

Às vezes tem que ser, quando em casa já não há condições para lhes dar uns últimos dias no melhor conforto possível. Assim foi com os meus avós e por nada nos arrependemos, pois os lares escolhidos são muito bons, com as melhores condições e pessoal muito bem preparado e atencioso e que trata/tratou deles, como não se conseguiu em casa. Até ao último suspiro...

4:42 da tarde  
Blogger vague said...

Não gosto de lares, e gostava, caso tivesse mto dinheiro para investir, de ter um lar.
Acho q é preciso tanta humanidade para saber gerir sob o ponto de vista dos afectos, uma casa destas.

Apesar disso, as minhas duas avós, em tempos diferentes, acabaram as suas vidas em lares. Deles retenho a tristeza e o desamparo dos q não têm família e q qdo viam alguns de nós ir visitar a nossa avó, ficarem de olhos a rasar a água. E ás vezes quietos, como quem secou por dentro.

Não há outra saída, como diz a Noite, apesar de eu, ao contrário dela, não ter assim tão boa impressão dos lares q conheci. E olha q não eram lares da segurança social, eram pagos e bem pagos. se as pessoas soubessem, todos, q um dia vão ser velhos e dependentes, talvez se tivesse outra compaixão pelas pessoas q precisam das outras para fazer a sua higiene básica. Há q lutar pela dignidade, sempre.

4:55 da tarde  
Blogger Ricardo Garcia said...

No início da minha carreira trabalhei num lar. E partilho dessa visão, são de facto lugares onde se espera a morte. Onde se deseja a morte. E a razão porque se deseja tanto a morte é -na maioria dos casos e relembrando os testemunhos dos utentes- o abandono a que são condenados pelos que amam. Pelos que sempre amaram e que os deixaram lá.

11:26 da manhã  
Blogger Bastet said...

Olá Maria Noite! É bem verdade que por vezes tem de ser e que é a melhor solução mas por melhores que sejam os lares e os cuidados são sempre sítios onde se espera a morte. :*

Querida Vague: Se eu tivesse que indicar alguém para se responsabilizar por um lar não teria dúvidas em indicar o teu nome. Enfim pelo menos para a parte de apoio aos utentes, distribuindo carinhos e atenções. na retarguarda talvez alguém que te impedisse de levares o lar à falência :)***

Caro Ricardo: Essa é, ao que creio, a realidade destes sítios. Como bem referes "são deixados lá". É esse abandono que me transtorna. Obrigada pelo teu comentário. :)

10:20 da manhã  
Blogger vague said...

lol, agora fizeste-me dar uma sonora gargalhada silenciosa :D:D

És o máximo por me elogiares assim :P

2:59 da tarde  
Blogger vague said...

ehhehe...

2:59 da tarde  
Blogger Bastet said...

E é mesmo um elogio Vague, verdadeiro e sentido. :)

4:11 da tarde  
Blogger Mo said...

tragico

9:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home