terça-feira, fevereiro 27, 2007

até ao pó

Se por acaso o teu caminho vier nesta direcção. Como se eu acreditasse nos acasos. Ou nos destinos. Ou nas sortes escritas no Livro das Coincidências. Quando no final se separam os bons dos menos bons. Ou os maus dos medíocres. Ou mesmo na realidade ou na virtualidade que se lhe opõe. Os opostos ajudam a perceber o que medeia os extremos. Tudo é vontade. Se houver um arbítrio livre em que valha a pena acreditar. Conheço melhor a prisão das condicionantes. As que tolhem os passos na fuga. Chama-se por vezes amor ao sacrifício. Ao medo. Depois dividem-se os traçados: os que julgam fugir - imbecis; os que desistem - cobardes. Tudo é inútil. Tirando a utilidade marginal do prazer. Ou a fé. O que se leva ou traz às costas na vida e para a morte. Levar a aura dos feitos e da caridade ou o jugo da ambição e do laxismo. Colocar aos pés do Julgador as misérias que nos justificam. Quando pela idade consciente acreditámos nos planos de poupança e nas casas de betão. Ou nos filhos que nos substituem os dias. Ou na mão educativa que mudará o mundo. Se por acaso eu acreditasse na liberdade, ou na vontade, ou na utilidade da vida enquanto dura. Como se valesse a pena sermos lembrados. Estudados. Que nos atribuíssem ilações do que nunca pensámos nem dissemos. A porem-me um nome seria "mais ou menos". A mim que professo radicalidade a par com a tolerância! Valha-me Deus!
Se por acaso o teu caminho vier nesta direcção, é o que me resta por esperar, e por isso quase quero que não aconteça. Porque quando tudo acontece acabam os sonhos. Esses narcóticos diurnos ou nocturnos com que empolgamos a existência. Temos que prolongar a imbecilidade quotidiana um pouco mais, e ao menos que até lá possamos emparelhar os nossos passos rumo ao pó para vermes: essa nossa última essência.

7 Comments:

Blogger Lumife said...

O REGRESSO

Os amigos insistiram no regresso do “BEJA”.

O desejo íntimo também era grande…

Porque não dar vida de novo a este projecto?

Além das notícias do Alentejo voltamos a ter outros

temas interessantes e sempre a lembrança dos

bons Poetas Alentejanos e não só.

Assim decidimos voltar e esperar o bom acolhimento

de sempre dos Amigos que aqui encontrei e dos

novos que porventura nos visitem.

Abraços amigos

11:03 da tarde  
Blogger nana said...

fogo......

10:54 da manhã  
Blogger un dress said...

também tudo

me parece

uma peça de teatro

montada.

demasiado depressa...

bela forma de dizer ! :)

8:29 da tarde  
Blogger vague said...

Somos uns seres profundos, inquietos, superficiais e incompreensíveis. Como podemos esperar compreensão humana?
Mas ainda assim, acredito.

O teu texto está magnífico, 'bastet'zinha'.

Quero 5 linhas tuas. Vai ver de q estou a falar.


:)

9:31 da tarde  
Blogger batista filho said...

idéias mui bem postas, com a mestria das palavras que são tuas. contudo, senti o cinza de um momento (?)... não faço julgamento, faço (re)leitura.

o pó
que à terra torna
alimento de vermes
adubo pra vida renovada
ínfima parte
tão somente
do Espírito
que ao Todo torna.

uma beijoca saudosa, querida Bastet.

3:20 da manhã  
Blogger nuno said...

Nã, não quero deixar-me apanhar pelo acaso. Aliás, desde que no 10º ano, uma colega minha me disse que fazia um certo caminho, pois assim encontraria "por acaso" o Pedro (o rapaz por quem tinha uma paixoneta), decidi deixar de acreditar no acaso.
O acaso somos nós. Prefiro as probabilidades, essas podemos fazer tender para nós.

1:36 da tarde  
Blogger Bastet said...

:) belo comentário o do Nuno! Está fantástica essa história do acaso!

Obrigada a todos por irem passando por aqui neste fase em que não me anda muito a apetecer postar!

2:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home