quinta-feira, janeiro 25, 2007

tabagismo

Há muito tempo ouvi uma história que me encantou. A de um velhote que, já na casa dos noventa anos e na última manhã em que acordou para esta vida, soube que seria nesse preciso dia que iria morrer. Vestiu o seu melhor fato e sentou-se na sua poltrona à espera da morte. Ela não tardou. Veio e levou-o de mansinho. Esta é a chamada morte santa. Aquela a que qualquer um ambiciona. Bem diferente da que os meus cigarros e a minha asma me prometem. Mas como de promessas está o inferno cheio, quem sabe se, antes da asfixia final, não haverá um último cigarro de prazer que no meu sofá me transporte ao céu, porque quem fuma com tanta devoção, eu acho que até merece!

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

A gata parece que está parva!
Já se viu gata sem asma?
Qual cigarro!

À da FEA, aquecida a azinho, ofereço-te uma Clubmaster vanilla.
Beijinhos e boas arfadelas

9:56 da tarde  
Blogger Bastet said...

à da FEA? O que é isso Erecteu? Ah... os cigarritos! :)****

10:06 da manhã  
Blogger batista filho said...

parei de fumar no final de setembro de 1995... até hoje, não é força de expressão! - até hoje sinto vontade de fumar!!!... mas tenho conseguido resistir.

saudade d'ocê, amiga querida!

uma beijoca carinhosa.

9:24 da tarde  
Blogger adesenhar said...

tabaco !

já vou na 4ª tentativa.

volto a ser um ex-fumador/principiante.

acredita que é duro.

ver um fumador a apreciar um cigarro
depois de uma bica!...
uffa... é muito violento não sentir o mesmo prazer...
vá lá fuma um por mim.
:-)*

11:34 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home