segunda-feira, dezembro 04, 2006

perfeição

Perguntam-me por onde ando, dir-vos-ei quem sou. Porque nem sempre os meus passos mostraram a certeza das minhas confissões. E quase nunca as minhas confissões revelaram certezas. Uma correlação entre a fuga dos meus passos e a procura de uma identidade. Esse despropósito de afirmação, inutilidade que nos leva meia vida. Outra meia vida para entendermos a utilidade do tempo que perdemos. Até à liberdade total do não pensamento. Ao equilíbrio dos gestos. À mudez das palavras e ao discurso dos actos. Ou ao contrário. Tanto faz. Porque sou o que digo e o que mostro. Agora que sei desta unidade percebo os socalcos do caminho e as feridas nos pés. É no alto que se fazem os castelos arrastando as pedras com o esforço dos corpos. Lógica ancestral. Percebemos a infância e porque lá voltamos, para repôr em dádiva o que recebemos. Depois abrimos os caminhos porque o medo está vencido e fazemos felizes os que se acercam. Há mais serenidade do que festa. E por isso à noite adormeço numa prece reconhecida e volto aos sonhos mais antigos. Há duas fases da inocência. A que nos é dada e a que se reconquista. Quando somos o que fomos num só corpo, numa só vida. Vejo em ti metade de mim e em mim que sou finalmente o que fui. Falta muito pouco ou quase nada. Quando puderes regressar ao que és tocaremos o céu.

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O que nos espera está lá.
O que se deseja é que a caminhada seja tranquila, em boa companhia, de preferenciaa.

12:34 da tarde  
Blogger batista filho said...

É...

... quando não encontro palavras pra expressar o que sinto, normalmente começo por essa expressão "É..." e esse "é..." exige um complemento mínimo, que seria "é isso!"... só que o silêncio termina por falar mais alto. Quedo mudo um tempinho, interiorizando melhor o que ouvi, li... o presente texto me deixou assim: econômico de palavras e pródigo de encantamento, pela beleza e densidade que percebi.

(Terminamos por ancorar em portos que realmente têm a ver conosco. Teu sítio, porto seguro, certeza de encontrar idéias onde me sinto bem, onde me sinto em Paz.)

Um abraço fraterno, amiga.

12:32 da manhã  
Blogger Bastet said...

Erecteu: :)*

batista: A verdade é que esperei o teu comentário. calculei que quase ninguém comentasse este texto e por isso esperei por ti. Obrigada. :)***

11:28 da manhã  
Blogger batista filho said...

um dia você me disse que eu podia... você lembra? rss! pois é: eu não esqueci!!! quer conferir?

6:31 da tarde  
Blogger batista filho said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

7:19 da tarde  
Blogger Bastet said...

Fui à ilha e naufraguei de contente. obrigada :)*

3:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home