quinta-feira, dezembro 21, 2006

o urso bailarino

Ver uma raposa com umas grandes orelhas de coelho feitas em cartolina ou um elefante com um rabinho de rato feito em fita preta de cetim, é uma coisa mesmo muito estranha e divertida. Começavam a ouvir-se os sons dos primeiros ensaios e toda a bicharada se treinava bastante para o grande concerto de Inverno. Os castores preparavam as madeiras mais sólidas para o palco e os pica-paus faziam os entalhes mais delicados. Os actores passeavam os seus fatos ao espelho e pediam às macacas costureiras os últimos retoques.
Todos os animais se esqueciam das zaragatas de Verão e das discórdias do Outono e trabalhavam em equipa na preparação do grande espectáculo anual. Trocavam-se ideias, recitavam-se poemas, afinavam-se harpas, flautas e violinos, escolhiam-se tules transparentes e rendas coloridas para as dançarinas.
Da família dos ursos não se podia dizer que fosse muito dotada para as artes, ou pelo menos para as artes de palco, mas a Dª Francelina era considerada a melhor doceira da região e era a responsável pela organização do habitual banquete que se seguia ao concerto. Ela fazia as melhores tartes de amora silvestre, os mais deliciosos pudins de morango e framboesa e os mais bonitos e saborosos bolos de pêssego com baunilha. O pai urso tinha muito orgulho na sua mulher e na sua enorme e redonda barriga felpuda. Era tão gorducho que os seus passos lentos e pesados se reconheciam ao longe e era difícil, senão impossível, imaginá-lo a correr ou a saltar.
Todos os dias a Dª Francelina preparava para a sua família opíparas refeições e só ficava satisfeita quando todos comiam muito bem e nada deixavam no prato. Esse era mesmo o melhor elogio que lhe podiam fazer.
Jessica, a pequena ursinha, já ajudava a mãe a cozinhar, mas do que ela gostava mesmo era de fazer colares, pulseiras e brincos com folhas e flores que entrançava em ráfia e fita de sisal. Ela havia recebido um importante convite e nem cabia em si de contente. Era ela quem iria desenhar e conceber as jóias dos artistas e, desde então, passava horas felizes a imaginar trabalhos únicos e diferentes.
Para Rafael, o irmão de Jessica, as coisas não corriam tão bem. Ele não achava graça nenhuma a ajudar a mãe na cozinha, não tinha jeito nenhum para fazer brincos e enfeites e nem sequer gostava de acompanhar o pai nos seus passeios porque ele andava muito devagar e parava em todo o lado para cumprimentar os amigos. Assim, quando se apanhava sozinho, Rafael escapulia-se para perto do lago e deixava-se ficar horas a fio a ver as danças dos cisnes e das garças. Para ele era a coisa mais maravilhosa do mundo e trocaria quase tudo para poder aprender a dançar.
Certa vez caíra na asneira de falar à mãe no assunto e ela havia-lhe explicado que os ursos não tinham sido feitos para dançar. Que as suas patas pesadas e redondas não tinham a graciosidade necessária para passos de ballet e por isso, era bom que ele se deixasse de patetices e começasse a aprender a ser um ursinho a sério e a saber imitar o seu pai na caça e na defesa da família.
Mas Rafael fugia para as margens do lago e era dentro de água, onde os corpos são mais leves, que ele ensaiava piruetas e coreografias imaginárias, e porque os sonhos são ainda mais leves do que o ar, ele sonhava que um dia viria a ser um grande bailarino.
Ora, por esta altura do ano já todos sabiam que papel desempenhariam no espectáculo e, ainda que fossem só espectadores, tinham faixas coloridas para mostrar, palmas coordenadas ensaiadas, gritos de claque divertidos, com que animariam a festa e os seus números favoritos. Só o pequeno urso Rafael andava triste porque nada tinha preparado para o grande dia.
Num belo dia de sol de Inverno, estava o nosso amigo junto do lago, quando ouviu alguém resmungar. Aproximou-se mais e mais e saltou-lhe para o colo um pequeno duende com um ar muito mas muito aborrecido. Era a primeira vez que Rafael via uma criatura daquelas e estava fascinado com o seu comprido gorro de veludo vermelho com uma grande borla de lã na ponta. O duende continuava a refilar e olhava meio assustado, meio zangado, para o focinho preto e peludo do urso.
- Tira-me daqui, urso molengão!
Rafael tratou de obedecer, e colocou o pequeno duende em cima de uma pedra.
- Quem és tu?
- Não se vê logo que sou um duende? Ou achas que sou a tua avozinha? – Perguntou o duende mal disposto.
- Alto lá, não sejas mal educado! – disse o Rafael ofendido com tanta refilice – Porque estás tu tão aborrecido?
- Oh... aconteceu-me uma grande desgraça. Perdi a minha varinha mágica dentro do lago e eu não sei nadar – acabou por confessar o duende envergonhado.
Rafael que sabia nadar muito bem para um ursinho tão pequeno, deitou-se à água e começou a procurar a varinha mágica do duende rezingão.
- Ora aqui está ela! – Exclamou o nosso amigo depois de alguns mergulhos.
- Bem hajas, ursinho, bem hajas! – Disse o duende visivelmente aliviado por recuperar a sua preciosa varinha.
- Olha duende, tu com essa varinha podes fazer magias? Fazer coisas de sonho?– Perguntou-lhe Rafael– É que, já que eu te ajudei, podias ajudar-me tu agora. Sabes, é que eu gostava tanto de ser bailarino!
- Bailarino? Um urso bailarino? Onde já se viu? – E o duende desatou a rir à gargalhada!
Rafael, que já estava farto que se rissem dele e do seu sonho, virou as costas e começou a chorar. O duende ficou preocupado porque, apesar de ser refilão, ele não era mau, e só tinha achado a ideia um bocadinho absurda. Um urso bailarino convenhamos que é uma ideia mesmo estapafúrdia! Pior que um urso bailarino só mesmo um elefante ou um hipopótamo. Mas como aquele urso o havia ajudado a encontrar a sua varinha, e como parecia estar mesmo muito desolado, o duende acalmou-o e pediu-lhe para que ele lhe falasse do seu sonho.
O ursinho começou por contar ao duende que, sempre que podia, corria para a beira do lago e deixava-se ficar a admirar a dança das garças e dos cisnes. Contou-lhe ainda que era dentro de água que ele treinava as suas piruetas e espargatas e que para um urso ele era muito ágil e tinha muita flexibilidade. Já havia muito tempo que ele todos os dias trabalhava numa coreografia de um célebre compositor humano chamado Saint- Saëns.
O duende, admirado com o que ouvia e com a força de vontade do pequeno Rafael, abanava a cabeça de um lado para o outro, fazendo balouçar a borla de lã do seu carapuço como se fosse um pêndulo de um relógio de parede. Claro está que, como toda a gente sabe, quando um duende abana a borla do seu carapuço desta maneira, é porque está a pensar numa coisa muito séria ou difícil.
- E então duende, vais ajudar-me? Vais fazer uma magia com a tua varinha?
- Sim e não – Respondeu misteriosamente o duende.
Mas que raio de resposta era aquela? Sim e não? Estaria o duende a fazer pouco do ursinho? Foi preciso que o duende lhe explicasse tudo muito bem para que o Rafael percebesse porque é que a resposta era sim e não ao mesmo tempo. O duende ia ajudá-lo mas sem usar a magia da varinha. O pequeno duende que agora agitava a borla do seu carapuço de trás para a frente de uma maneira muito animada, puxava pela pata redondinha do Rafael enquanto lhe dizia: anda, mexe-te!
Quando finalmente o duende parou de o puxar, tinham chegado a uma bonita clareira onde serpenteava um riacho de águas azul celeste. As águas eram tão límpidas que Rafael conseguia ver-se como num espelho e pareciam tão frescas que ele nem se atrevia a molhar o pêlo. Em cima de uma pedra lisa, mesmo no meio do riacho, estava pousada uma linda ave de penas tão brancas e de asas tão longas e graciosas que só podia ser uma ave bailarina. O duende aproximou-se dela e estiveram os dois em tão grandes conversas que o urso achou que se tinham esquecido dele. Estava quase a ficar amuado por ninguém lhe ligar importância quando a bela ave se lhe dirigiu e lhe perguntou se era ele que queria ser bailarino. Rafael respondeu-lhe que sim. Disse-lhe que dançar era para ele a coisa mais importante do mundo, que quando sentia a música fazer-lhe cócegas nas orelhas e ela entrava no seu corpo, era como se ganhasse asas e pudesse voar como um pássaro e ser leve, leve como a água que corre ou o vento que sopra.
Então a ave bailarina olhou para o duende e disse-lhe que sim, que iria ensinar o pequeno urso. Rafael abraçou o duende com tanta força que quase lhe amarrotou o veludo vermelho do carapuço enquanto lhe agradecia muito esta grande ajuda que ele lhe estava a dar. E entre um abraço apertado, antes de desaparecer por artes da varinha de condão, o duende bichanou-lhe ao ouvido: Sabes Rafael, não há magia mais forte que o amor.
Nos tempos que se seguiram Rafael trabalhou arduamente com a sua professora, horas e horas por dia até lhe doerem as patas e cair de cansaço. Aos poucos Rafael aprendeu todos os passos de ballet e as piruetas mais arriscadas e difíceis. Apesar de esgotado pelo esforço de tanto treinar, Rafael nunca queria parar e só desejava aprender mais e mais. A professora estava encantada porque nunca tivera um aluno tão dedicado e trabalhador e por vezes quase lhe parecia que Rafael já sabia mesmo voar. Foi por isso que a ave bailarina inscreveu o pequeno ursinho na festa de Natal. Seria o último a actuar e iria dançar o “cisne” do Carnaval dos Animais de Saint-Saëns.
O tempo passou depressa até ao grande dia. Na clareira estavam reunidos todos os animais para assistirem e participarem no espectáculo e nos bastidores a confusão era muito grande. Passavam animais de um lado para o outro, vestindo e despindo peças de roupa, pondo adereços, afinando as vozes, trocando abraços e votos de um bom espectáculo.
O nosso bailarino estava fascinado com aquela azáfama, olhava deslumbrado para tanta cor e entusiasmo que o rodeava e percebeu que todo o seu corpo estava a tremer de nervoso e excitação. Foi então que sentiu uma mãozinha pequena a segurá-lo. Era o duende! Trazia o seu belo barrete vermelho e uma casaca de festa verde musgo de asas de grilo. Rafael ficou contentíssimo de o ver e explicou-lhe que estava cheio de medo de fazer má figura e de não ser capaz de dançar. Se ao menos o duende fizesse uma magia para o ajudar. Então, o duende olhou-o nos olhos e disse-lhe:
- Olha Rafael, lembra-te do amor que tens pela dança e do quanto tens trabalhado e vais ver que a magia acontece.
Aos primeiros acordes do Carnaval dos Animais fez-se silêncio. Rafael pisou o palco, fechou os olhos e sentiu a música a fazer-lhe cócegas nas orelhas. As suas patinhas começaram a querer voar e ele executou as melhores piruetas de sempre. Todos os seus movimentos tinham a graciosidade e a firmeza próprios de um verdadeiro bailarino. Nunca Rafael dançara tão bem. Quando a música acabou explodiram as palmas. A assistência aplaudia de pé como se faz aos grandes artistas. Rafael estava tão contente que lágrimas de felicidade lhe rolavam pelo focinho. Quando deixou o palco esperavam-no os seus pais, a sua irmã, a sua professora e, é claro, o seu amigo duende. Ofereceram-lhe flores e deram-lhe abraços. Afinal era mesmo verdade, não há magia maior que a magia do amor.

Deixo-vos este conto que eu escrevi para a minha filha e os meus votos de um Santo Natal.

20 Comments:

Blogger Isália said...

muito bonito o teu conto, certamente que a tua filha adorou

2:36 da tarde  
Blogger João Montenegro said...

Estás a ver? Um amor é sempre forte (de contrário não o é!). Bom Natal.

3:15 da tarde  
Blogger Aires Montenegro said...

O que está antes é do Aires, não do João: o computador é que é do meu filho e eu não reparei no nome...

3:18 da tarde  
Blogger MRF said...

Para toi, contista, e respectiva, um beijo farfalhudo nas bochechas respectivas. Feliz Natal!

6:03 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

tu andas um doce, gaja...
e eu gosto-te muito mesmo no meio do jingbel
:)****

10:22 da tarde  
Blogger batista filho said...

Que posso dizer desse conto, Bastet? Direto ao ponto: M A R A V I L H O S O !!!!

Forma e conteúdo - divinos!

Uma beijoca carinhosa.

2:42 da manhã  
Blogger Asulado said...

Feliz Natal para ti e para ela, e que este conto a entretenha por muitas noites.

9:14 da manhã  
Blogger Barão d'Holbster said...

Ola gata sagrada...
Desculpa mas não li o conto, and com uma falta de tempo desgraçada, mas pelos comentários vou ter de o fazer.
Só passei para desejar que tenhas um bom natal e um 2007 cheio de coisas boas (e que as más não sejam assim muito más)...
Beijos

5:19 da tarde  
Blogger vague said...

Que belo presente gatinha Bastet. Lindo :)

12:43 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Belo e pedagógico conto.
Vou mostrar o teu conto aos meus filhos que assim partilharão convosco o Natal que desejo ser muito feliz para todos.
Para ti gata linda, muias festinhas.
Beijinhos

9:07 da manhã  
Blogger adesenhar said...

encantador o teu conto.
posso copy/ar? é para o meu baú das obras de arte.
:-)
Boas festas

bjs

12:25 da manhã  
Blogger Bastet said...

Ainda bem que gostaram :) e é claro que podes copiar amigo adesenhar!
Erecteu: diz-me depois a reacção dos teus filhos, se gostaram ou não deste urso bailarino.

Beijos a todos.

3:19 da tarde  
Blogger SGC said...

Caramba, isso é amelhor prenda q se pode ter!:-)

4:35 da tarde  
Blogger forass said...

Não há nada como a primeira vez. :)

Quando ao Natal... pois.

12:55 da manhã  
Blogger mao morto said...

I Love this blog!

7:22 da tarde  
Blogger batista filho said...

Feliz 2007, amiga!
Uma beijoca carinhosa.

5:11 da tarde  
Blogger Elipse said...

arranja quem ilustre e publica.
está lindo!
É que ainda por cima trabalhaste este lado da escrita com a facilidade de quem é naturalmente versátil, mesmo com as "opíparas refeições", pausa aconselhável para o ouvinte interromper e fazer-se render a coisa!

Já estou a ver o livrinho de capa dura, colorido, cheio de lindos animais em versão moderna... eu não sei desenhar, mas imagino as ilustrações. Ficava uma obra!

Ela gostou? (que pergunta!)

2:11 da manhã  
Blogger Bastet said...

Querida Elipse. esta é uma das histórias que eu inventei, sob pressão e ameaçada por dois olhos expectantes na vã tentativa de os fazer adormecer ou pelo menos semi cerrar. Depois veio a ideia de o escrever. Melhor que o ler foi ouvi-la a lê-lo. Já me perguntou quando escrevo os outros... Os outros de que ela se lembra e eu já não me lembro... diz-me que há um de uma árvore e outro do sol e da lua. Felizmente ela tem boa memória e soube resumir-me esses dois. Agora não tenho outro remédio senão escrevê-los também! para as ilustrações vou contar com a a ajuda de uma amiga e depois quem sabe...
Um beijo e obrigada pelo incentivo :)*

9:43 da manhã  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Bastet, eu depois quero um exemplar!

Bjo

CSD

6:44 da tarde  
Blogger Bastet said...

Se alguma vez isso acontecer, conta com ele Cláudia! :)*

10:57 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home