terça-feira, novembro 28, 2006

as marionetas e eu

Sim, está bem, somos todos marionetas e o cordelinho da esquerda abre-nos um esgar na bochecha e arqueia-nos o dorso. Pois, a vida é uma merda e a humanidade é outra e não há redenção. E falem-me agora das medidas provisionais e dos objectivos sensatos. E é a guita da direita que nos puxa o pé avante e à ré o braço. E lá estou eu com a estranha mania de que somos pessoas e com ignóbil conspiração da felicidade. E que me adianta negar que rasguei as cordas e os cordéis e que vou por aí, ou por qualquer outro lado, como nunca antes? Sim, está bem, ninguém pode sorrir quando o mundo é de dor e só as lágrimas decoram as faces. E até pode ser que o meu outro cordel se tenha estragado, a tal excepção que está para a regra como eu para o mundo de peito aberto e cabelo desgrenhado. Até pode ser. Dou de barato. Ou na linha de muitos escapou-se-me o parafuso da convenção e sai-me agora o pensamento para a universalidade e para a psicose da vida e do amor. Calhou assim. Ver na chuva a promessa das colheitas e nos meus dias um quase Paraíso. E depois? Até pode ser que chore e que a minha dor estremeça os rios. Mas hei-de estar viva. Eu e este defeito de marchar ao contrário. Com os cordéis entrelaçados em razoáveis incentivos, por-vos-ei num estendal para que um dia quem sabe sequem ao sol.

11 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Diz-se que o sol voltou. Será para nos alegrar?

1:15 da tarde  
Blogger Elipse said...

e que mal tem "estar viva" e no "Paraíso"?
deixa lá esse peso de uma culpa mais ou menos moralizante pelos males universais; ou o descrédito sobre os teus méritos.
é como quando se diz à filha que deve comer a sopa porque há muitos meninos que passam fome. E ela remedeia algum desses males se a comer? Ou se não a comer?

depois pode vir a tempestade mas enquanto tiveste abrigo foste feliz.
desejo a continuação desse entrelaço enquanto ele te apertar bem juntinha à VIDA!

6:28 da tarde  
Blogger Noite said...

Ainda bem que conseguiste fugir, Pinóquia. Ensina-nos como se faz... :*

1:59 da manhã  
Blogger batista filho said...

Que comentário bacana Elipse fez, amiga!
Já passei por aqui várias vezes. Voltarei outras! rss!
Esse texto é especial.
Inté mais. Que o teu dia seja maravilhoso!
Uma beijoca fraterna.

9:32 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Esse remar ao contrário é-me particularmente caro...Nunca conseguiria pô-lo tão bem em palavras.
É isso bastet, importa é termos a sensação da felicidade, mesmo que saibamos que ela é efémera, mas quando é, É.

12:34 da tarde  
Blogger Barão d'Holbster said...

Isso de cortar os cordeis é de muita coragem. Quantos eu não conheço que se pelam por agarrar o crodel mais próximo e atá-lo a um pé ou mesmo à cabeça.
É claro que cortar os codeis implica que sejamos nós a trilhar o caminho e isso da felicidade e do amor é só mais uma história de embalar, se a infelicidade te assola é só um sinal evidente que estás viva.
No entanto, no final, poderemos dizer como o poeta:
" Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!"

5:40 da tarde  
Blogger . said...

E aliás, minha amiga, nem estarías tu bem se não navegasses contra o vento, não era? Mas se não houvesse quem navegasse contra o vento nunca se teria descoberto o bolinar e haverá coisa melhor do que bolinar contra o vento e chegar lá?
AR

9:59 da tarde  
Blogger batista filho said...

ah, os desgarrados do tempo! inquietos espíritos a tecer com os sonhos as manhãs do sempre! subindo a mais alta montanha e despencando em fio!... mas na vertigem do tombo, gritar como a poetisa:

"Calhou assim.
Ver na chuva
a promessa das colheitas
e nos meus dias
um quase Paraíso.

E depois?
Até pode ser que chore
e que a minha dor estremeça os rios.
Mas hei-de estar viva."

Bastet, amiga querida: com toda a sinceridade de minh'alma, parabéns!

3:47 da tarde  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Cinco letras apenas! Cinco estrelas!
LINDO!

6:42 da tarde  
Blogger vague said...

onde é q tu andas?
não penses q estou com saudades, vaidosa, é só bisbilhotice mesmo
(pronto, um pouco)

10:59 da tarde  
Blogger Bastet said...

Obrigada a todos por não deixarem à sombra o Sol&Tude. Eu cá estou, com saudades pois está claro mas é que isto de remar ao contrário nem sempre é fácil!

batista: ficam mais bonitas as minhas palavras na forma que lhes dás!

A todos:
:)*****

11:15 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home