terça-feira, setembro 05, 2006

o paraíso, agora!

O Paraíso, agora! é um murro no estômago porque a morte branca e silenciosa instala-se desconfortável, primeiro na nossa garganta, descendo logo após para a região abdominal, onde persiste às voltas durante largas horas. Uma vez feita a difícil digestão de um filme subtil, percebe-se que são sobretudo as suas subtilezas que arrasam com quaisquer estereótipos que eventualmente pudéssemos albergar – E depois? Como será depois da morte? – Vêm dois anjos para vos buscar – Tens a certeza? – Sim, tenho a certeza.
Então que certezas levavam consigo aqueles dois jovens juntamente com o cinto de explosivos? Se não era afinal a promessa das muitas virgens e uma percepção concreta de uma entrada no Paraíso!? Que resgate pretende qualquer ser humano que se mata? E que pretensão achar(mos) que quem assim voluntariamente se coloca perante a última fronteira, será louco, cobarde ou pobre de espírito.
E a retorcida ironia de ser Khaled, aparentemente o mais convicto, a abortar a sua missão quando confrontado com o contraditório de um novo e mais informado discurso e de ser Saïd, que passeia no seu peito, a par com a carga letal de explosivos, dúvidas, amores e saudades, a acabar por nos deixar num decidido adeus à vida.
Saïd liberta-se do gueto onde cresceu, limpa a memória de um pai colaboracionista e mantém viva a resistência ao forte exército israelita, tudo isto através da sua morte e do assassinato dos que casualmente o rodeiam.
Imaginando uma sequela, poderíamos visionar a gravação do último testemunho do belo palestiniano, a sua ascensão a herói defunto do gueto, e a dor de duas mulheres que acreditavam que não valia a pena ser assim. Mas a verdadeira sequela deste filme faz-se no écran interior da nossa consciência, esbofeteada de forma violenta pelo incómodo de tantas vezes nos permitirmos julgar a realidade pelo que nos vendem, pelo facilitismo, sem o necessário conhecimento de causa e sem a humildade como tempero da nossa ignorância. Afinal estes dois palestinianos tinham família, tinham casa, tinham trabalho, ouviam música, fumavam cachimbo e levavam uma merenda para o caminho. O abraço a uma missão suicida, que percebemos ser voluntário, é a escolha possível de uma moldura mais dourada de dois jovens aos quais outras escolhas (mais apropriadas à sua idade e/mas à nossa realidade) estão vedadas. Não se vislumbra em Khaled ou em Saïd o fanatismo religioso, mas lê-se a miséria que os rodeia, não se sente em Khaled ou em Saïd o ódio, mas entende-se a impotência de quem nasceu e cresceu num contexto de pobreza, conhecendo apenas como meio de luta o suicídio e o assassinato – porque nem esta questão é escamoteada no filme ou tão pouco no discernimento dos protagonistas. Morrem levando consigo o maior número de soldados possível. Oferecem a sua vida para colherem outras, não porque sejam loucos raivosos ou fanáticos doentios mas porque “O Paraíso, agora!” se transforma de modo arrepiantemente simples numa óbvia solução.

11 Comments:

Blogger Claudia Sousa Dias said...

Polémico. Dificil de comentar. Só espero que em pOrtugal não exista ninguém suficientemente desesperado para tentar este tipo de "solução final" para fazer face ao marasmo económico que tanto estragula os portugueses de tanto que os faz "apertar o cinto".

CSD

5:32 da tarde  
Blogger Asulado said...

Andas muito «cinemalómana» (como já alguém me chamou).

8:06 da tarde  
Blogger Noite said...

Tenho ali para ver. Já tinha decidido ser dos próximos, mas com esta tua abordagem, acabei de decidir que é mesmo o próximo. Se calhar aproveito e vejo-o já, já que são 3:53 da manhã e o jet-lag não me larga!!!
Este ano não deu, com muita pena minha, mas foi complicadíssimo. Fala com a Vague... Beijinhos, Bastet atchim. ;)

9:01 da tarde  
Blogger Bastet said...

Pois é Cláudia mas se houver tanto desespero em Portugal que haja também muito descernimento na escolha de quem levar quando rebentar o cinto ;)*

Talvez uma cinemanómala mas não ando, sempre fui :)

E que tal Noite, já viste o filme ou estás agora a fazer uma soneca? :)*

2:22 da tarde  
Blogger perola&granito said...

passei so para deixar beijinhos :)

9:28 da tarde  
Blogger batista filho said...

por ora não comento. mas o tema é por demais instigante. retornarei a esse post bem mais vezes. fica o meu abraço fraterno, pejado de saudade, amiga.

1:42 da tarde  
Blogger Nino said...

Seria com efeito um acto muito nobre imolarem-se, explodirem-se em nome de um ideal, mas sozinhos. A partir do momento em que "convidam" crianças a caminho da escola, empregadas domésticas no fim de um dia extenuante, juristas a caminho do trabalho ou médicos a sair de um banco no hospital, o quadro pinta-se de outras cores mais negras e escarlates. Por mais prémios, leões de ouro, críticas favoráveis e mensagens subreptícias que o filme receba, a minha sensibilidade ainda não troca sangue e vidas inocentes por anjos de libertação ou virgens de pernas abertas.

6:41 da tarde  
Blogger batista filho said...

Na década de 40, plena 2ª grande guerra, alguns dos cientistas mais "brilhantes" da época, financiados pelos EUA e... desenvolveram dois "brinquedinhos" atômicos, um deles batizado de "little boy" e os jogaram lá do alto do céu, sobre duas cidades. Em fração de segundos milhares e milhares de crianças e velhos, mulheres e homens foram chacinados. Faz tempo, né?
Década de 60, Vietnan: num "passeio" por aquelas bandas, o saldo numérico que os senhores da morte deixaram por lá foi de mais de um milhão e meio de vidas e esperanças ceifadas! Besteira?! Faz tempo, né?
Afeganistão, Iraque: as mortes ocasionadas por "bombas inteligentes" vitimaram/vitimam mais civis ou militares?
Segunda metade da década de 40 até os dias atuais: a 4ª maior força militar do mundo, israelita, distribui doces para os seus vizinhos e primos?... Choque de civilizações?!
Sempre fui e continuo sendo totalmente favorável à existência do Estado de Israel, bem como do Estado Palestino.
Sempre fui e continuo sendo totalmente contrário à barbárie, sob qualquer justificativa ou denominação que ela venha a assumir.

Relembrando fatos aqui do sul do Brasil, por volta da "colonização":
as "índias" guaranis, quando falhava o controle de natalidade que praticavam e vinham a parir pela segunda vez, matavam a "2ª” cria porque eram povos bárbaros" (no dizer de alguns cronistas espanhóis e portugueses da época). A explicação das índias: quando os brancos invadiam aldeias indígenas para aprisioná-los e torná-los escravos, elas, as mães, na tentativa de fugir - só podiam levar nos braços uma única filha ou filho. Conhecedoras que eram da "civilidade" dos seus captores, que as estupravam sempre que tinham vontade, não desejavam tal destino para as suas filhas ou a escravidão para os filhos... Parece monstruoso, não é mesmo? Mães matando os próprios filhos e filhas recém-nascidos.

Desculpa, amiga, por tal comentário... é que ficou um gosto amargo, cá dentro de mim.

12:49 da tarde  
Blogger Hipatia said...

Fui ver. Nunca o saberia dizer melhor, amiga. E sai do cinema com um nó na garganta, que não passou ainda, que parece não querer passar. Estivessemos nós naqueles sapatos, que seríamos capazes de fazer?

10:56 da tarde  
Blogger Bastet said...

Ninno: Algures no meu texto eu refiro que, quando eles abraçam voluntariamente aquela missão têm não só consciência do suicídio como do assassinato. E não se trata de trocar nada por nada. Trata-se apenas de perceber que não há só monstros de um lado e cordeirinhos do outro. Trata-se de não fazer análises tão simplistas que reduzam tudo ao desejo de uma virgem de pernas abertas ou por abrir.

Querido batista agradeço-te muito o teu comentário que subscrevo como mágoa na íntegra. Dizes e muito bem que as índias eram consideradas bárbaras pelos cronistas de então. É no fundo disso que trata o meu texto. Da facilidade de tantas vezes se emitirem opiniões sem o conhecimento profundo das causas que, não digo que justifiquem, tornam mais "humanas" algumas acções. E no fundo é sempre de humanos que se trata...

Hipatia: nem sempre é fácil calçarmo-nos com a realidade dos outros e termos a humildade de pelo menos escutar. Um beijo minha amiga.

11:17 da manhã  
Blogger batista filho said...

Grato por tua amizade generosa. Te beijo.

12:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home