sexta-feira, maio 26, 2006

a letra que me deste

Quando me enviaste uma letra de música pensei-a minha, ou tua, que ma desses para meu pertence. Usei-a no peito porque lhe dei voz. Singularidade de uma mulher a cantar notas inventadas para um poema. Disseram-me que estava bela. Abri a janela do carro para aspirar o elogio. Assim a cantar parecia outra. Nem todos os cantos transformam as sereias em veneno. Há um canto para cada mulher como porventura um perfume que se etiliza no aroma próprio de cada pele. Não direi uma arma porque a poesia só é fatal para quem a veste no corpo e a sente nas ancas. Quando o balanço dos passos se faz verso e os seios explodem reluzentes de brio. Corpos há que nunca se revoltam mesmo quando estremecem de carícias. Que não se suspendem roucos contraindo no ventre o prazer em prisioneiro sofrimento. Eu trazia sonetos no desenho das costas destapadas e essa tua letra que fala do esquecimento na garganta. E creio que estava bela, revestida dessa aura do desejo de te ter. Depois fechei a janela, não fosse a magia correr atrás do vento cedo demais. Antes que parasses no passeio encantando por mim, com o espanto no rosto de quem não me reconhece a melodia.

7 Comments:

Blogger Mily said...

Tanto se pode fazer com a letra de uma música... tanto a sentir, tanto a sonhar!

Um belo texto embalado em terna poesia... lindo!

Deixo beijos, deixo sorrisos, deixo notas musicais... querendo que estas não interfiram na música que estás a embalar no teu coração.

Um fim de semana pleno de alegrias.

12:24 da tarde  
Blogger Hipatia said...

Há músicas que nos vestem, tanto como as letras... quase adivinho a tua ;-)

7:07 da tarde  
Blogger andorinha said...

Que belo texto, que bela letra e que bela música!
"Corpos há que nunca se revoltam mesmo quando estremecem de carícias."
E não é que há mesmo?!:)
Um beijinho e bom fds.

9:41 da tarde  
Blogger SGC said...

a melodia :Allegro vivace!;-)
*

6:26 da tarde  
Blogger Boabdil said...

As sreias sao conhecidas por levarem os marujos para fora dos barcos... mas tu és uma Deusa, será que consegues tirar almas do inferno?
:-)

12:21 da tarde  
Blogger batista filho said...

mesmo em formato prosa, os versos, inquietos versos, os teus, não podem se esconder... se espalham pois como notas ao vento de uma melodia sonhada.
Um beijo, amiga;

8:37 da tarde  
Blogger Bastet said...

Mily, os teus votos resultaram em pleno! tive um fim de semana inesquecível, conheci novos amigos, passeei, enfim foi óptimo. Se a força dos teus desejos resultar sempre assim faço um contrato contigo :)***

Tu sabes qual é a minha música Hipatia... Sim, ainda é a mesma, a que fala de esquecimento :)

Andorinha! Que bom ver-te por cá! Já estava com saudades tuas! Um beijo com amizade!

SGC: Sim, é esse o andamento :)*

Ora, agora uma questão mais séria... Boabdil, Alteza: Os gatos têm um encanto, um feitiço quase demoníaco, para que deixes prender por eles, largues tudo em que acreditas, acredites em tudo quanto negas... este é o caminho da perdição, o único que conheço para a salvação. Um beijo de fé para ti da Bastet.

Batista: Há bem pouco tempo dizia-me um amigo o que tu agora me deixas escrito... por mais que me esforce eu escrevo sempre poesia. Talvez seja porque esta é a forma como vejo a vida! Um beijo em forma de verso para ti meu amigo poeta.

11:10 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home