sexta-feira, abril 21, 2006

nem anjo nem demónio

Não sou um anjo de asas doces,
mas não venhas tu falar-me da tentação
ou do que se lê nos meus olhos,
esses brilhos que vês e aumentas,
até a íris se dilatar
ao ritmo do arquejar do meu colo...
Ou da maçã, que te dou a provar gelada,
apenas para que saibas do alimento
e da vida.
Podes sempre beber o que te ofereço,
água que dizes ser vinho,
só porque te ofusca a tua sede
e tens os lábios ressequidos do vento.
Não sou verbo nem carne,
mas nem irmã ou consolo,
não tenho essa facilidade do quotidiano.
Sou antes a que te espera por inteiro
colando ao meu corpo os teus pedaços.

11 Comments:

Blogger Elipse said...

deixei-te desafio. se quiseres...

7:30 da tarde  
Blogger Pecaaas said...

Para mim algo confuso...
bfs
Pedro

7:39 da tarde  
Blogger adesenhar said...

nem anjo nem demónio!

:)

12:43 da manhã  
Blogger jp said...

és um todo, e isso é que importa Bigodes
:-)*

9:46 da tarde  
Blogger Mily said...

Nem anjo nem demônio... apenas MULHER! Um belo poema! Beijos carinhosos nesse começo de tarde repleta de raios de sol.

5:02 da tarde  
Blogger Fausta Paixão said...

qu'horror, querida!!!
o que é que você faz com um homem assim despedaçado?

9:58 da tarde  
Blogger Bastet said...

Lá irei Elipse!
O amor é confuso Pecaaas :)
Um beijo adesenhar!
Jaquelina! :)*
É isso tudo Mily... apenas mulher! :)
Fausta, Fausta... nem eu sei... :)*

12:17 da tarde  
Blogger th said...

"Sou antes a que te espera por inteiro
colando ao meu corpo os teus pedaços."

Amar com todo o corpo é isso mesmo!
Beijo, theo

12:23 da manhã  
Blogger batista filho said...

Disseste... e muitíssimo bem!!!
Beijocas.

11:50 da manhã  
Blogger mc said...

Muito bom, Bastet!
bjos da mc

2:46 da tarde  
Blogger Bastet said...

:)****

11:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home