sexta-feira, março 03, 2006

contigo

Tenho em mim uma janela cerrada, aos que se passeiam pelo meu corpo pelo meu prazer, como quem passa correndo por uma estrada qualquer e não pernoitando em nenhuma cidade, passam e partem sem lograr conhecer.
São veraneantes de Inverno que atropelam estações, dando em sopros calor onde o frio me queima, dando beijos de amor onde existe o desejo, dando às mãos o rigor de uma certa passagem e por isso crendo ser-lhes devida, uma qualquer lembrança ou homenagem.
Tenho dentro de mim esta minha janela, portadas de vento com vidro cristal, que é tão transparente o que nela se cerra, que é frágil, temente, o que nela se guarda, escondido dos olhos de quem por mim passa.
Mas quando à noite outra noite vier, sejas tu que me tragas a manhã seguinte, declaro o estio a este meu corpo e que janela haverá que não se abra contigo?

6 Comments:

Blogger Caracolinha said...

Aí querida amiga ... nem sabes como me fez bem ler as tuas palavras ... uma beijoquinha da molusca de sorriso nos lábios.

12:54 da manhã  
Blogger Lumife said...

Em Alvito acontece...

Já somos 44...

Esperamos muitos mais


Bom fim de semana

7:14 da tarde  
Blogger batista filho said...

Que lindo!

1:44 da manhã  
Blogger Noite said...

Fico sempre estarrecida a ler as coisas lindas que escreves.
Beijinhos :)

12:46 da manhã  
Blogger mc said...

Muito bom!
Como sempre.
beijos da mc

11:11 da manhã  
Blogger forass said...

Devias é preocupar-te mais com as paredes da casa e não as com as portadas e com as janelas.
Bj.

3:01 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home