quarta-feira, novembro 24, 2004

o sexo fraco

Ao longo de séculos de história procurou-se minimizar o sexo feminino relegando-o a um lugar e papel secundários, à estupidez e à fragilidade, vedando às mulheres o acesso à cultura, à decisão, ao trabalho, ao prazer, etc, etc. Talvez seja à custa de ultrapassarem todos estes obstáculos que as mulheres são hoje na sua grande maioria incomparavelmente mais versáteis, mais profissionais, melhores seres humanos, mais resistentes aos confrontos e às adversidades.
A Igreja Católica assumiu e propagandeou secularmente uma perversa e demoníaca imagem da mulher enquanto responsável pela tentação do homem e pela sua queda em pecado (temos pois um Adão fraco, idiota e incapaz de resistir e decidir por si próprio). A Igreja de resto é ainda hoje, no meu modestíssimo entendimento, responsável por inúmeros traumas sexuais e comportamentos desadequados de jovens que se debatem interiormente entre os dogmas católicos (que lhes são impostos como condição necessária para a aceitação familiar) e a liberdade saudável e responsável da prática sexual. Destes comportamentos desviantes são exemplos as jovens que para se casarem virgens se entregam exclusivamente à prática do sexo anal e os jovens de ambos os sexos que se espartilham em "manobras preliminares" consideradas menos censuráveis que o acto sexual completo, ou seja que a penetração. Gostaria muito de saber qual seria o entendimento de Jesus Cristo sobre esta interpretação mitigada da doutrina da Igreja e do natural desejo sexual dos nossos jovens...
Neste contexto e porque há bem pouco tempo me foi oferecido um livro cujo título é "As mulheres gostam de foder", não posso deixar de lamentar que, em pleno século XXI, ainda seja novidade e motivo de admiração a aceitação do papel da mulher como ser humano completo, com vontade própria, sexualidade assumida e, espante-se, com desejo sexual tão ou mais activo que a maioria dos machos que por aí continuam a alardear a sua suposta masculinidade e a considerar como mulheres "duvidosas" as que têm simplesmente a coragem de assumir que gostam tanto de sexo quanto eles.
Por e para esta breve reflexão, deixo-vos esta imagem fantástica de uma verdadeira vaca contemporânea que, sem arreios, receios ou tabús saíu livre a cavalo no seu garanhão.

11 Comments:

Blogger o net pulha said...

Considerações sábias de uma mulher plena que não tem grilhões dessa índole.
Aprovo a verve!

3:40 da tarde  
Blogger Alexandre said...

duvido é que o tenha fecundado... a atitude pode valer muita coisa, só não pode substituir-se à the real thing... ;)

4:45 da tarde  
Blogger o net pulha said...

fecundado ficou ele, por não ser em fecundação que ela estava a pensar!

4:50 da tarde  
Blogger Maria_Oliveira said...

Subscrevo na totalidade.
Há mais "Crónica..." :-)
Um beijinho.

5:45 da tarde  
Blogger Zu said...

Sim, senhora, belo post. Ilustrado com uma imagem fantástica :)

7:04 da tarde  
Blogger josé said...

Está tudo muito certo mas repare-se que tal imagem só seria possível nos Açores...

7:23 da tarde  
Blogger Bastet said...

Long live Azores!!! :)

12:30 da tarde  
Blogger Boabdil said...

mas... mas... as mulheres também fazem sexo anal!? e (deus seja louvado) também gostam de sexo oral?! um dia destes está a afirmar á boca cheia que as mulheres também têm prazer (orgasmos?)!!! é o armagedeon!!
:-) :-)

10:09 da tarde  
Blogger vague said...

É assim mesmo. Ah, mulher sem papas na língua e pensamento desempoeirado!
Abraço,
Vague

12:21 da manhã  
Blogger vague said...

(Será que posso copiar p/ o m/ blog, tão belo e expressivo texto, q tem tudo no sítio? ;) Com a referência à autora, obviamente.

8:07 da tarde  
Blogger Bastet said...

Querida Vague:
Claro que podes copiar! É bom saber que há quem não critique este post...

11:43 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home