quinta-feira, novembro 04, 2004

hora de voar

A que preço pagarei a liberdade? Sei que é hora de voar. No limiar do que fica e da saudade, penso em ti ainda. Mas não quero voltar à mesma casa todos os dias e vê-la vazia. Não, não me interpretes mal. Aprendi a amar este espaço vago e as horas de recolhimento. Mas o resto mata-me aos poucos. A monotonia. Prefiro outro vazio. O medo que vem da aventura e do recomeço. Esse medo que traz adrenalina, força e fé. Prefiro acreditar que ainda há uma outra vida que esteja também na minha vontade e nas minhas mãos. Creio saber agora o que sentes. Mas não me posso resignar. Procurei tempo demais a solução nos outros e também em ti. Mas, como sempre que procuramos, esquecemos vezes demais que os óculos estão na ponta do nariz. Ali. Estiveram sempre ali ao nosso alcance. Esqueci-me vezes demais da minha autonomia. E agora que o Verão partiu também eu quero mudar. Ficou-me esta alma migratória da minha infância. Anos demais abafada pela cobardia e pela razão? Quem me dera viesses comigo. Mas creio que se ficar também te perco. Que nos perderemos ambos nesta ilusão de que um dia algo vai mudar.

2 Comments:

Blogger marvin said...

I know of a Heaven
And honey I know of a Hell yeah
I hang my head
In my bed
And remember what you said
"One evening, I'm leaving"
And I laughed and checked her breathing
And said darling

Go slowly through the night
O baby, I feel the heal of time
I wake to find you sitting here
Cutting tangels out of your hair
Singing a song that's all wrong
Hey, but that's alright, I don't care
O darling forgive me
For all the misery yeah
I embrace an empty space
And your laughing song it fades
Where goes it?
It goes some place
Where it's lonely
NICK CAVE- Slowly Goes The Night

1:05 da tarde  
Blogger vague said...

Posso repetir?

"Quem me dera viesses comigo. Mas creio que se ficar também te perco. Que nos perdereros ambos nesta ilusão de que um dia algo vai mudar."

8:47 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home